Vai-se casar e precisa de uma casa para viver? Quer mudar de casa e não sabe qual será a melhor alternativa? Neste artigo vou-lhe falar das duas alternativas: comprar ou arrendar casa para que possa tomar a melhor decisão.

Um pouco da minha história

Comecei a minha carreira profissional na Banca de Investimento pelo que tive acesso a um conjunto de benefícios muito interessante, especialmente para quem está no início da carreira e no início de vida. Um dos benefícios dos bancários é o acesso a condições especiais nos contratos de crédito, algo que aproveitei logo quando pude e que tornou a alternativa do arrendamento muito menos interessante.

Antes de me casar decidi-me pela compra de uma casa em Lisboa com recurso ao crédito habitação. Dado o custo decidi fazer o contrato com o prazo mais dilatado possível, já que poderia usar a poupança mensal para aplicar o dinheiro noutro tipo de aplicações financeiras com um retorno superior. No entanto, cometi um erro. Comprei uma casa demasiado pequena. Comprei um T2 e passado 4 anos já tinha 3 filhos o que me obrigou a arrendar a casa e mudar para outra (pois na altura o mercado imobiliário não estava doido como o mercado atualmente).

Quais as consequências da compra de uma casa?

A compra de uma casa tem um conjunto de vantagens mas também tem custos que não pode esquecer. Ao comprar uma casa está a tornar-se o proprietário, mesmo que hipoteque a casa durante vários anos. Assim, todos os meses que passam a casa fica um pouco mais sua, funcionando o crédito habitação como uma poupança forçada. É também certo que a casa tem custos diversos associados como sendo seguros de vida, condomínio, obras e o custo da perda de flexibilidade.

Porquê arrendar?

A alternativa à compra da casa é o arrendamento. No arrendamento paga apenas um valor mensal que na prática engloba todos os custos acima referenciados. Ou seja, o senhorio irá imputar os custos da renda, do condomínio, dos seguros e eventual manutenção num único valor. Claro que este valor irá depender de um conjunto de fatores como sejam a oferta e procura de arrendamento e o ciclo económico. Paga mais mas tem uma maior flexibilidade pois poderá abandonar o imóvel quando assim o desejar.

O que escolher – Comprar ou arrendar?

A escolha entre a compra e o arrendamento é uma escolha muito pessoal e que depende de inúmeros fatores. Como referia acima, no meu caso poderia ter feito sentido comprar uma casa maior do que a que comprei. A escolha foi simples pois o custo da compra era muito mais favorável do que o custo do arrendamento, mesmo considerando a necessidade de flexibilidade. Na prática, esta decisão obrigou-me a arrendar o imóvel e a continuar a ter um rendimento mensal muito interessante e que se veio a revelar como uma boa oportunidade de investimento (entretanto vendi a casa).

Qualquer que seja a sua escolha deverá ser muito ponderado. Deverá pesar não só os custos – como sendo o custo do crédito habitação e dos seguros associados – mas o atual estado da sua vida. Por exemplo, conhecemos diversos casais que não se quiseram casar por terem receio do compromisso mas que compraram uma casa com recurso ao crédito habitação (metendo-se na prática num compromisso de longo prazo). Se está no início de vida poderá beneficiar da flexibilidade para se deslocar para perto do posto de trabalho (por exemplo, no estrangeiro). Existem diversos fatores a considerar.