Começa em breve a época da prestação de contas do contribuinte ao Estado. Vamos ser chamados a mostrar os nossos rendimentos e as nossas despesas e esperar que as muitas despesas que tivemos ao longo do ano sejam suficientes para obtermos algum reembolso do imposto retido.

Comece a preparar hoje o IRS do próximo ano

Neste contexto, é fundamental que se perceba que a declaração de IRS de um ano começa a ser preparada no ano anterior. Para podermos ter despesas para deduzir, temos de pedir faturas com o nosso número de contribuinte. É também importante que se perceba que o valor que eventualmente vamos receber é o valor que nos foi retido na fonte.

O passo seguinte é perceber o que vamos fazer com o dinheiro que recebemos. A política de consumo que nos é “imposta” leva-nos a destinar todo o dinheiro ao consumo. Talvez a liquidar alguma despesa maior. Mas infelizmente, muito pouca é a destinada a aumentar as nossas poupanças, não fossemos ser o pais da Europa com das mais baixas taxas de poupança da Europa (e depois queixamos que não conseguimos investir)

Mais vale um pássaro na mão…

Nos dias que correm é natural pensar-se que de pouco vale poupar. As taxas de juro dos depósitos bancários não justificam o esforço. Mas aqui, temos de perceber que existem alternativas aos depósitos, com taxas de juro e capital garantido. E ter a noção de que mais vale ter o dinheiro na nossa conta do que na conta do vizinho. E para isso temos de tentar criar uma cultura de previdência e autossuficiência. Saber que o dinheiro que poupamos serve para garantir a segurança financeira das nossas famílias e para atingir algum objetivo. O consumo não é o centro das nossas vidas, mesmo que todo o marketing nos venha tentar convencer do contrário.